matriz-gut2

Usando matriz GUT na implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais

Após um longo tempo parado em virtude de outras prioridades profissionais, voltei a tratar do Plano de Implantação dos Procedimentos Contábeis Patrimoniais — PIPCP.

No texto anterior, falei sobre algumas ferramentas que utilizo ou pretendo utilizar para transformar o PIPCP em prática.

Agora é a hora de dar o primeiro passo que é a definição dos procedimentos necessários e da ordem em que eles serão executados, ou seja, oque eu preciso fazer o o que é prioridade fazer.

Continuar lendo

Gasto Total com Pessoal :: protótipo de uma metodologia gerencial

Quanto às despesas com folha de pagamento, o principal indicador de saúde financeira do setor público é o índice de despesa total com pessoal estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e que limita esse tipo de despesa a 60% da Receita Corrente Líquida (RCL).

O problema desse indicador é que nem a Despesa Total com Pessoal é efetivamente a despesa total com pessoal, e nem a Receita Corrente Líquida é, de fato, a receita corrente líquida.

Continuar lendo

Lei Complementar nº 101/2000 – LRF – Indexada

Outra lei indexada, agora a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101/2000).

Com índice alfabético, sumário, marcadores de artigos, incisos, parágrafos, etc, e com anotações trazendo o trechos de outros dispositivos legais citados na lei.

Versão MS Word 97-2003 Versão MS Word 2007-2013 Versão em PDF Versão para Libre Office, BrOffice, OpenOffice

legislacao

Lei nº 13.019/2014 – Regime Jurídico das Parcerias

Fiz um trabalho de indexação do conteúdo da Lei Federal nº 13.019/2014, que institui o Regime Jurídico das Parcerias.

Nos arquivos, os capítulos e seções estão indexadas e há um Índice alfabético no final.

Lei nº 13.019/2014 (ODT) Lei nº 13.019/2014 (DOC) Lei nº 13.019/2014 (DOCX) Lei nº 13.019/2014 (PDF)

turno1

Como determinar a economia do turno-único

A utilização de turno-único nas Prefeituras tem sido uma ferramenta recorrente nos últimos anos cuja principal justificativa apresentada é a de que a redução temporária do horário de funcionamento das repartições públicas resultaria numa economia importante de recursos, principalmente em períodos de redução na receita dos Municípios.

Embora, num primeiro momento possa parecer um argumento lógico, a mim sempre me pareceu muito mais uma falácia lógica do tipo Petitio principii ou Argumentum ad nauseam.

Continuar lendo